domingo, 21 de outubro de 2012

Alteração da Fala ou da Linguagem?

Muitos estudantes e até fonoaudiólogos sentem dificuldades ao se depararem com alterações da fala e da linguagem. Jaime Luiz Zorzi (in MARCHESAN, 1998) apresenta de modo simples as diferenças entre um e outro. Aliás, este é um livro que recomendo: Fundamentos em Fonoaudiologia - aspectos clínicos da motricidade oral, pela Editora Guanabara Koogan.
Para aqueles que não tem condições de comprá-lo agora resumirei um pouco do que Zorzi ensina. Espero que seja útil. Se você ainda tiver dúvidas, por favor, deixe seu comentário e farei um segundo artigo sobre o tema.


Linguagem verbal = uso convencional de palavras, faladas ou escritas tendo por objetivo a comunicação interpessoal. Tal uso envolve a aquisição ou domínio de uma série de aspectos linguísticos-comunicativos, dentre os quais está incluída a fala.
A linguagem diz respeito a fatores pragmáticos, formais e semânticos.



Ou seja, os aspectos ou fatores linguísticos que a criança precisa dominar ao desenvolver a linguagem são:

Aspecto Pragmático - isto é, a função da comunicação, o porque de se comunicar, a intenção. A criança precisa ter uma razão, motivação para se comunicar, um desejo. As funções atribuídas à comunicação da criança são:
  • função regulatória: a comunicação que tem como objetivo obter algo ou satisfazer uma necessidade. A criança se comunica porque quer manifestar um desejo. 
  • função social: o objetivo da criança é atrair a atenção das pessoas, manter a atenção sobre si mesma.
  • função de manter atenção conjunta: o objetivo é atrair a atenção do adulto para algo que está acontecendo ou para desenvolver uma ação em parceria com o outro.
Distúrbios nesse aspecto pragmático, trarão como consequência, alterações nos usos e funções da linguagem ou da comunicação em geral. Há uma falha ou quebra no caráter intencional da comunicação. Pode-se observar isso nos quadros psicóticos, por exemplo, o autismo.

Aspecto Semântico - isto é, o conteúdo, o que comunicar. Através das relações semânticas ou dos significados que as palavras possuem expressamos ideias, sentimentos, desejos, experiências etc. Portanto, este aspecto da linguagem está relacionado a fatores cognitivos, envolvendo a própria elaboração do pensamento, mais especificamente, a formulação de ideias através de palavras. 

Em termos de patologias da linguagem, este aspecto pode estar afetado nas afasias (evidentes nas alterações de natureza semântica e dificuldades gerais de formulação verbal); nas doenças neurológicas degenerativas ou lesionais (que afetam a capacidade cognitiva); nas deficiências mentais.

Aspectos Gramaticais ou Formais - isto é, de que maneira organizar. Além de desejar dizer algo e ter o que dizer é necessário que a criança domine a sintaxe, a morfologia e a fonologia.
  • sintaxe: como as palavras se relacionam entre si, como as sentenças são formadas e regras gramaticais que regem tal formação.
  • morfologia: morfemas são as menores unidades significativas de uma língua. Modos de composição das palavras. Plural ou singular, feminino ou masculino passam pela morfologia.
  • fonologia: aprendizagem dos sons da fala. A aprendizagem de todos os fonemas dura praticamente toda a primeira infância.


Várias causas podem comprometer a produção dos sons da fala, o que resulta em diferentes tipos de distúrbios articulatórios. Fatores neurogênicos, ou seja, alterações neurológicas, centrais e periféricas, como dispraxias e disartrias. Causas de origem músculo-esqueletais, que estão caracterizadas por alterações das estruturas ósseas e ou musculares envolvidas no ato da fala, por exemplo nas fissuras palatinas. Distúrbios articulatórios funcionais ou dislalias ou desvios fonológicos.

Ao considerar a linguagem como uma capacidade que engloba vários aspectos, dentre eles a fala, fica difícil a princípio, fazer uma distinção. A fala corresponde à realização motora da linguagem. Porém há uma diferença entre as fases relativas ao planejamento ou processamento simbólico da linguagem, e as fases relativas à sua realização motora propriamente dita.
A transformação do pensamento em palavra corresponde à fase de planejamento ou processamento simbólico. O que inclui a escolha das palavras, organização das frases, de acordo com regras morfossintáticas e a coordenação das frases, formando o discurso. 
Pensamentos, ideias e desejos se transformam em palavras de acordo com as condições pragmáticas, morfossintáticas e semânticas, que é a etapa de processamento simbólico. Para os símbolos chegarem aos interlocutores, há necessidade de transformá-los em sons ou letras. Este é o aspecto da execução ou da realização motora das palavras.
Mas, antes de pronunciar as palavras há uma programação dos movimentos. Esta programação dos atos motores corresponde a uma atividade práxica verbal. A partir da programação neuromotora, práxica são liberados impulsos à musculatura dos órgãos fonoarticulatórios, produzindo a fala.
A linguagem é, portanto, processada em vários níveis e etapas: processamento cognitivo-linguístico e processamento motor.

  1. Distúrbio de Linguagem - alteração ou dificuldade que pode comprometer o uso da linguagem com fim comunicativo, a capacidade de produzir e compreender enunciados gramatical e semanticamente estruturados. Distúrbio que prejudica aspectos ligados à fase do planejamento e da própria compreensão da linguagem.
  2. Distúrbio da Fala - alteração que afeta padrões de pronúncia ou produção dos sons da língua. Ligado, principalmente, às fases de programação e ou execução neuromotora.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, deixe aqui o seu comentário. Obrigada!!!